15 de abril de 2014

Enciclopédia da Iluminação

No segmento de iluminação, os termos técnicos estão por toda parte. Vemos que as pessoas raramente sabem os conceitos básicos que podem ajudar na compra da lâmpada e confundem facilmente um termo com outro.

Veja abaixo a definição das principais expressões relacionadas à luz (você pode também usar Ctrl + F para buscar diretamente):

Abertura: Termo usado para identificar o ângulo de abertura do facho de luz (ou foco da intensidade luminosa) da fonte de luz e é expresso em graus (°).

Base: é a parte da lâmpada que se conecta ao soquete, pode ter vários tamanhos e formatos, embora o mais comum seja a base E27, como a da lâmpada incandescente.

Candela: unidade de medida da intensidade luminosa (veja intensidade luminosa).

Controlador: permite programar e mudar as cores da fonte de luz RGB.

Cor da luz: veja temperatura de cor.

Depreciação lumínica ou depreciação luminosa: é quando a lâmpada perde parte do seu fluxo luminoso ao longo do tempo. Toda lâmpada deprecia depois de um tempo de uso.

Dimmer: dispositivo que substitui o interruptor comum on/off e permite a regulagem da intensidade da luz.

Driver: O driver é uma fonte de alimentação eletrônica, de configuração remota, com uso adequado a cargas que necessitem de corrente contínua regulada e estabilizada, como os LEDs.

Eficiência energética: É a relação entre a quantidade de lúmens gerados por cada Watt (W) consumido, ou seja, quanto cada lâmpada ilumina para cada Watt (W) de energia consumido.

Lâmpada fluorescente: gera luz a partir do contato da energia ultravioleta com o material do bulbo, que é a base de fósforo. A energia ultravioleta é produzida pela descarga da corrente elétrica no interior do tubo, que contém mercúrio e um gás interno (argônio ou neon). A corrente necessária para gerar a descarga de energia que produz ultravioleta é pequena, por isso que as lâmpadas deste tipo consomem menos que as incandescentes, que trabalham por aquecimento do filamento. Precisa de um reator anexo para ligar à rede.

Lâmpada fluorescente compacta: possui a mesma composição da lâmpada fluorescente, porém já vem um reator integrado e pode ser ligado diretamente à rede elétrica.

Fluxo luminoso: é a quantidade de luz emitida em todas as direções por uma fonte luminosa. É medida em lúmen (lm). Por determinar o quanto uma lâmpada ilumina, é o principal fator de escolha na compra.

Iluminância/ iluminamento: conhecido também como nível de iluminação, trata-se da luz incidente em um ambiente que atinge uma unidade de área de uma superfície. É expressa em lux (lx). Por exemplo, a emissão de 1 lúmen por metro quadrado equivale a 1 lux. Os valores relativos a iluminância são encontrados na NBR 8995 – Iluminância de Interiores da ABNT.

Incandescente: lâmpada de filamento de tungstênio, que gera luz visível a partir da energia elétrica que aquece o filamento. Está saindo do mercado pela sua baixa eficiência.

Índice de Proteção

Índice de proteção (IP):  é a proteção contra resíduos sólidos e líquidos, representados por dois números que acompanham a sigla. O primeiro dígito indica a proteção contra sólidos, e seu número máximo é 6. O segundo dígito mostra a proteção contra líquidos, e o número máximo é 8.

Índice de Reprodução de Cor (IRC): expressa a fidelidade da luz às cores reconhecidas pelo olho humano. Como todas as cores que enxergamos sofrem influência da iluminação, e referência de luz com perfeita reprodução de cores é a luz do sol, livre de interferência atmosférica, a qual se atribui a graduação de 100, numa escala de 0 a 100. As luzes artificiais são igualmente classificadas de 0 a 100 de acordo com a sua fidelidade ao reproduzir as cores. Quanto mais próxima do 100 estiver, melhor será a sua reprodução de cores.

Intensidade luminosa: é a quantidade de luz emitida em uma determinada direção. Sua unidade é expressa em candela (cd).

Kelvin (K): unidade de medida da temperatura de cor (veja temperatura de cor).

LED: sigla para diodo emissor de luz (led emiting diode, em inglês). LEDs são semicondutores em estado sólido que convertem energia diretamente em luz.

Lighting designer (LD): também conhecido como arquiteto de iluminação, é um profissional especializado em projetos de iluminação que visa transformar a incidência de luz artificial e natural dos ambientes para atender à funcionalidade de cada um.

Lúmens (lm): unidade de medida do fluxo luminoso (veja fluxo luminoso).

Lúmens efetivos/ lúmens percebidos: expressa a quantidade de lúmens (lm) que são percebidos à noite pelo olho humano. A luminosidade é assimilada de forma diferente antes e depois do pôr do sol, pois o olho se adapta conforme a sensibilidade desses níveis de luz. À noite a visão humana elimina praticamente todo o espectro vermelho e amarelo das fontes de luz e reconhece melhor as cores azul e verde do espectro. Dessa forma, as fontes de luz que possuem em seu espectro de cor a predominância das cores azul e verde são melhores percebidas pelo olho humano à noite, o que dá a percepção de maior luminosidade.

Luminância: é a sensação de claridade transmitida pelo reflexo dos raios de luz em uma superfície, ou seja, é essa luz que emana da superfície quando refletida. É expressa em candela por metro quadrado (cd/m²).

Lux: unidade de medida da iluminância (veja iluminância).

Payback: Na iluminação, a expressão é utilizada para definir o tempo de retorno do investimento em fontes de luz que geram economia significativa de consumo, provando sua eficiência financeira, ou seja, que fontes eficientes se pagam em um determinado período.

Potência: é uma unidade de potência elétrica, expressa em Watts (W). Indica o consumo de energia da lâmpada.

Reator: É um equipamento auxiliar utilizado em conjunto com as lâmpadas de descarga (lâmpadas fluorescentes, vapor mercúrio, vapor de sódio e vapor metálico) que tem como objetivo limitar a corrente na lâmpada e fornecer as características elétricas adequadas. São encontrados no mercado dois tipos: eletromagnéticos e eletrônicos.

Retrofit: termo designado a substituição da tecnologia de iluminação e que atinge um objetivo (eficiência, efeito, versatilidade, etc). Nesse processo, as mudanças são mínimas na estrutura.

RGB: sigla para vermelho, verde e azul (red green blue, em inglês) e especifica que a fonte de luz pode mudar de cor usando essas três variantes, com o uso de um controlador e controle remoto.

escalakelvin_temperaturadecor

Temperatura de cor: é a cor da luz emitida por uma fonte, que tem como unidade de medida o Kelvin (K). Em baixas temperaturas de cor a tonalidade da luz tende para o vermelho, que é conhecida como luz quente, enquanto nas altas temperaturas de cor a luz torna-se mais clara, sendo definida como luz fria.

Tensão: é a força eletromotiva em um aparelho ou circuito elétrico, expressa em volts (V). Trata-se da alimentação da lâmpada que pode ser de 127V, 220V ou 12V, no caso de correntes contínuas.

Vida mediana: corresponde ao valor em que 50% das lâmpadas ensaiadas se mantém acesas sob condições controladas em laboratório. Não é necessariamente o tempo de vida em serviço, pois o número de acendimentos, flutuações de tensão e outras influências ambientes alteram esse tempo.

Watts (W): unidade de medida da potência (veja potência).

Compartilhe →

Deixar um comentário

Tags html permitidas: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

(obrigatório)